NAYA - Noticias de Antropologia y Arqueologia NAYA.ORG.AR
Noticias de Antropología y Arqueología


Desde 1996 el Portal de Antropologia en español

Recibir novedades


Buscador
Eventos
Tarjetas Postales
Fondos de Escritorio
Enlaces

Temas
tesis de grado y postgrado TESIS
antropologia economica Antropología Economica
antropologia forense Antropologia Forense
antropologia medica Antropología Médica
antropologia visual Antropología Visual
articulos de arqueologia Arqueología
arqueologia submarina Arqueología Subacuática
arqueologia urbana Arqueología Urbana
arte rupestre Arte Rupestre
ciber cultura Cibercultura
educacion y antropologia Educación
epistemologia Epistemología
etnias Etnias
etnohistoria Etnohistoria
gestion sociocultural Gestión Cultural
globalizacion Globalización
identidad cultural Identidad
mitos y leyendas Mitos y Leyendas
momias Momias
museologia Museología
patrimonio cultural Patrimonio Cultural
religion Religión
turismo cultural Turismo Cultural


Base ANT-ARQ
Buscar
Inscribase gratis !

Congresos Virtuales
1998 (ANT-ARQ)
2000 (ANT-ARQ)
2001 (Turismo)
2002 (ANT-ARQ)
2003 (Turismo)
2004 (ANT-ARQ)
congreso 2005 (Turismo)

Encuentros Turismo
2001 (Salta)
2002 (Jujuy.)
2003 (Bs As.)

 

NUEVO BIBLIOTECA EVENTOS UNIVERSIDAD MAPA Equipo NAyA CONTACTENOS
  INICIO > BIBLIOTECA > RESEÑAS Compartir en: recomendar

Resenha: O apartheid ainda existe entre nós, urge fazer uma descolonização mental imediata!

inclusion etnica y racial en brasilCarvalho, José Jorge de

Inclusão Étnica e Racial no Brasil: a questão das cotas no ensino superior

- São Paulo: Attar, 2005. 2ª edição: 2006. 212 pg

 

Há racismo no Brasil? O país é um país tropical e misto do paraíso na terra para todos seus habitantes? O Brasil é um país racista?

Para responder estas e muitas outras questões pungentes no debate atual da arena societária brasileira leia-o. Também na definição do que consideramos nosso “pensamento social”, é preciso ler e tornar acessível o conhecimento sistematizado por José Jorge de Carvalho em seu ultimo livro. Já em sua orelha fica claro a que veio no excelente texto de apresentação do Professor Kabengele Munanga (um dos três únicos professores negros(ele nem sendo nascido no Brasil e sim no Zaire) dentre os 500 da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP):

O Brasil é o continente do país americano que recebeu o maior fluxo de africanos escravizados entre os séculos XVI e XIX. Negros e mestiços descendentes de africanos representam hoje cerca de 45% da população brasileira total; isto é, são mais de 80 milhões de brasileiros que tiveram, e ainda têm, uma notável participação ma formação do povo brasileiro, na sua economia, contribuindo de forma decisiva para modelar a cultura e a identidade brasileiras.
No entanto, eles ainda encontram problemas no processo de sua plena integração social e no exercício de seus direitos de cidadania. A explicação desses problemas está no racismo à moda brasileira e suas ambigüidades. Uma das características desse racismo foi o mito da democracia racial, que, além de camuflar as desigualdades raciais e os conflitos latentes, prejudicou o processo de construção da identidade coletiva dos negros e atrasou a discussão na sociedade brasileira sobre as reivindicações de políticas de ação afirmativa em benefício dos negros.

Para começo de conversa o seu livro apresenta uma proposta de cotas para negros e índios na Universidade de Brasília que foi implementado e é o motivador do início de todos os processos de ação afirmativa hoje em curso no Brasil em Universidades Públicas que já somam mais de uma vintena. Situa todo o contexto da realidade brasiliense e do apagamento da diferença entre brancos e negros na figura do mestiço autodenominado pardo e a forma cruel como a Unb se perpetua como uma universidade de brancos.

Passa, na seqüência a uma denúncia do impacto das cotas no mundo acadêmico interpretado por ele como sendo um espaço onde domina a “ideologia da mestiçagem” reafirmando e reproduzindo a idéia da democracia racial(ideologia formulada por Gilberto Freire, adaptada por Darcy Ribeiro, incensada por Jorge Amado, positivada por Roberto da Matta e com seguidores e defensores fortíssimos em toda academia brasileira que estabelece o Brasil como o modelo de convivência ideal das raças; sem conflito para o mundo, onde teria sido criada uma meta raça de mestiços ). Mas com dados demonstra que a população docente de negros nas Universidades Públicas Federais não passa de um por cento, demonstrando ser a universidade pública brasileira um espaço onde a integração racial é inexistente. Evidenciando assim ser a Universidade Brasileira uma das mais racistas do mundo. Por outro lado à falta de dados sobre a população acadêmica discente quanto à identidade étnica tem historicamente servido para ocultar esta exclusão.

Descreve casos concretos de discriminação racial no contexto universitário brasileiro, como o denominado caso Ari, onde um doutorando é impedido de permanecer no programa de Pós-Graduação de Antropologia da Unb por ter reprovado em uma disciplina que nunca ninguém havia reprovado, sendo negro e a resposta a esta injustiça foi o projeto de ação afirmativa apresentado na Unb. Mostra a resistência a mudanças das formas de acesso via ações afirmativas nas universidades mais tradicionais e elitistamente brancas como a USP, UFRJ e que mais controlam o conhecimento das Ciências Sociais no Brasil. Assim perpetuando seus professores a defesa de uma ideologia também contrária às ações afirmativas.  Demonstra a força dos movimentos sociais negros e indígenas e seus intelectuais na busca da construção de uma outra sociedade e na interpretação diferenciada do racismo e como vítima dele na exclusão da academia nas pessoas de Guerreira Ramos, Edison Carneiro e Clóvis Moura, calando as rebeliões na senzala por eles produzidas de se efetivarem como obras de referência clássicas nas Ciências Sociais brasileiras. E chega a denunciar suas própria associação científica a Associação Brasileira de Antropologia como naturalizando a exclusão racial em seus encontros, e desafia a constatação do mesmo fato em todas as outras associações científicas brasileiras.

Propondo para a alteração deste trágico quadro a construção de “uma aliança negro-branco-indígena pela inclusão racial”, que permitiria a associação entre os movimentos negros e indígenas na construção e reconstrução de uma história com eles hermanados visando à superação da brutal e inaceitável desigualdade étnica hoje existente na Universidade Brasileira. Colocando que o caminho para a superação disto será realizado pela extensão universitária e suas relação com os saberes das comunidades; não como os de fora, mas, como iguais e assim possibilitando a revisão através de seus saberes não-ocidentais do eurocentrismo reinante hoje na academia brasileira. E nesse sentido criando um modelo de ação afirmativa próprio, que nem de longe está copiando os EUA, pois lá não tem vestibular.

Só assim que conseguiremos superar o fato de que nos processos de seleção universitários tanto de graduação, quanto de pós-graduação e financiamento de pesquisas, “até agora ninguém nunca preferiu os negros”. Segundo ele vamos ter que aprender a preferi-los, para mudar este quadro. Só assim seremos ativamente anti-racistas.

Assim fecho com Kabengele a um convite a tod@s lerem o livro em que:
“Os complexos argumentos de José Jorge de Carvalho convidam-nos a sair de lugares comuns e fugir das opiniões limitativas construídas por uma imprensa que, apesar das posturas político-ideológicas diferentes e da inércia do mito da democracia racial, nem sempre é totalmente esclarecida sobre as razões da luta contra o racismo profundo das nossas universidades. Primeiro texto autoral escrito sobre o tema das cotas no ensino superior brasileiro, Inclusão Étnica e Racial no Brasil será leitura obrigatória para todos os interessados e envolvidos no tema”.

Juliano Gonçalves da Silva – juliano.gds@ig.com.br
Mestre em Multimeios pela Unicamp


PIE DE PAGINA
Noticias de Antropologia y Arqueologia es un emprendimiento del Equipo NAyA. Ultima modificación de esta página 30/4/14
http://www.naya.org.ar

© Equipo NAyA / 1996-2014 - ISSN : 0329-0735